segunda-feira, janeiro 15, 2007

Mãos acusadoras


Mãos acusadoras
Mostram-me o quanto sou horripilante
Apontando todas as horas
Tornando-me humilhante

Não as consigo evitar
Por mais que me esconda ou desvie
Em todos os lados as encontro
Prontas para me apontar

Gritam imperosas
Que nada de bom simbolizo
Levam-me ao desespero
E eu cada vez mais me martirizo

Quero que elas se vão
Para poder viver livremente
Sem ter um dedo a apontar
Cada passo que em falso dou

Bloody kisses***Ari

3 comentários:

Joana disse...

Gosto deste poema!
é forte!!

A imagem tb é muito forte!
gontei da junção!
Bom post!!

********

Samodiva Anheel Brujah disse...

Eu tb gostei deste poema, por mais que não sejam visiveis existem smp dedos a apontar para nós... é, mais que humilhante, destruidor.

****gmmmmmmmdt****

ps - keres que corte os dedos que são apontados a ti??

Dea disse...

º-º'
Isso não se faz, Sami. Cortar os dedos é mau.
O poema está muito real e a imagem é, de facto, muito forte.
Gmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmdt**