segunda-feira, novembro 27, 2006

Não sei quantas almas tenho


"Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu."

Fernando Pessoa

Bloody kisses***Ari

5 comentários:

Samodiva Anheel Brujah disse...

era um louco exe homem...mas escreu mt coisa linda...e adivinhou a sua hora da morte...lol

gmdt**

Dea disse...

Gostei muito da imagem... ^-^
Do poema, bem, é bonito, mas só depois de o dar em Português é que poderei dizer se foi fácil ou não interpretá-lo. .-.
Gmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmdt**

Joana disse...

Gosto desse poema do sr.pessoa!
A imagem encaixa na perfeição! =)

Dead Bohemia disse...

nao e preciso pedires desculpa, o blog esta la para alguma coisa

Dead Bohemia disse...

nao e preciso pedir desculpa, o blog ta la para alguma coisa