quinta-feira, dezembro 21, 2006

Noite


Noite eterna
Que me rodeia
Que me afoga na escuridão
De companhia só a solidão
E um negro corvo na mão

Ao longe a música fúnebre
Anuncia meu final
O adeus à vida
Uma breve despedida
Ao corpo da mortal despida

Chega assim o último suspiro
A última visão da amada noite
Sinto um aperto no coração
O corvo fugiu-me da mão
E por fim reina a solidão...

Bloody kisses***Ari

2 comentários:

Joana disse...

Esta muito bonito o poema, embora depressivo.Mas gostei.A imagem é muito bonita mesmo =)

***

Samodiva Anheel Brujah disse...

Este é o teu poema k mais gosto, pelo menos ate hoje...é sobre a noite, e eu amo a noite...:$...mt bonito mesmo, e a imagem tb*

gmmmmmmmmmmdt****