domingo, abril 15, 2007

Vivo de certezas que são duvidas,
de respostas às quais não sei as perguntas,
de risos sofridos, de lágrimas sorridas,
de dor que consola,
de presença que magoa,
de sonho que me quer acordar,
de contrários e opostos que não percebo nem quero...

Olho-me e não me vejo, da mesma maneira que me toco e não me sinto...

Porque hoje estou num daqueles dias que falo e ninguém escuta, que ninguém compreende estas estranhas palavras sem sentido...

Porque hoje sei quem sou e sou uma alma perdida, um corpo amaldiçoado, um ser esquecido na imensidão do infinito...



Bloody kisses***Ari

1 comentário:

Joana disse...

gosto do texto, embora pareça que estejas um pouco revoltada! A foto está gira*****