quarta-feira, janeiro 24, 2007

Ampulheta

Por aqui estou
Controlando o tempo
Vejo o que passou
O fim de mais um momento

Sou a dona da ampulheta
Tua vida tenho na mão
Trato-a como uma roleta
Um mero jogo de coração

Um boneco sem vida própria
Que eu viro e torno a virar
Uma vida que sorria
Com quem eu gosto de brincar

Mas tolo gozas teu Fado
Achas grande teu ser
Só não sabes que na ampulheta da vida
Para sempre irás viver


Bloody kisses***Ari

1 comentário:

Joana disse...

Wowo, grande poema. Gostei mesmo muito. um dos que mais gostei!
A imagem é lindissima!

=)

*Sim, podes vir para Avalon, mais o teu menino, é uma ilha onde os amores verdadeiros nunca são demais =) *