terça-feira, abril 17, 2007


Vou deitar-me entre as folhas
Deixar a mente voar
Vê-la partir
Para longe, para outro lugar

Nada me resta, bem sei
Senão dormir a chorar
Sei que por aqui fiquei
Deixei minha alma a vaguear

Também ela me deixou
Decidiu que queria ir
Eu sei que triste ficou
Mas já não tinha motivos para sorrir

Então deitei-me no chão
Dei-lhe a liberdade e sorri
Fiquei na solidão
Mas ela ficou feliz

Mas quando estava quase a morrer
Ela tornou ao meu ser
Dizendo que preferia sofrer
Do que sem mim viver

Agora somos duas deitadas
Vendo a mente a sonhar
Vamos chorando caladas
A eterna dor de amar



"Quem ama faz um pacto com a dor"


Bloody kisses***Ari

1 comentário:

Joana disse...

Gostei imenso do poema! Mesmo muito|
A imagem já conhecia, e sinceramente não lhe acho grande piada********