quarta-feira, agosto 22, 2007

Desgostosa chorava
Pobre menina perdida
Em já nada acreditava
Estava presa na encruzilhada da vida

Não se recordava de nada
Simplesmente sabia
Que naquela encruzilhada parara
E agora só podia escolher uma saída

Um mundo de luz na retaguarda
A sombra eterna defronte de si
Mas ela pobre coitada
Chorava sem fim

Não sabia que decidir
Só queria da encruzilhada sair
Mas quem ali fica não pode fugir
E ela não sabia como agir

O tempo acabou por se desvanecer
E ela ali ficou eternamente presa sem saber
Qual o caminho que menos a fazia sofrer


text by me
***Ari

2 comentários:

Lunar disse...

Gostei imenso deste poema, encarei como uma pequen história!
Adorei a iamgem!
Boa escolha!
Bom trabalho :)*****

Samodiva Anheel Brujah disse...

Adorei todo o trabalho maninha minha.

Gostei mesmo!

Amoti maninha*******